0

#SemanaEsther: Fundação Make-A-Wish

chris_geicius_usa

Quem já leu “A Culpa É Das Estrelas” ou “A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar”, provavelmente, ouviu falar sobre a Fundação Make-A-Wish:

A maior parte da animação em nossa casa está por conta do iminente evento da Make-A-Wish. Nossa família e seis amigos especiais da Esther vão ficar em um hotel em Boston de 1º a 5 de julho. As atividades incluem um almoço em um passeio de barco, a visita de uma celebridade (!), uma maratona de filmes do Harry Potter, um show, jogos, vista do sétimo andar dos fogos de artifício no rio Charles e mais! A Esther está EXTREMAMENTE animada…!

(Lori Earl, A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar)

A Make-A-Wish é uma fundação internacional que tem como objetivo realizar desejos de crianças com doenças graves. A missão da fundação é realizar sonhos, fazendo com que a criança tenha um pouco de felicidade a amor num momento difícil da sua vida e que assim tenha forças para combater a doença.

Para nenhuma criança é simples ter uma doença séria como o cancêr, por exemplo. Ter sua vida limitada tão cedo é um choque. Sendo assim, a Make-A-Wish leva esperança a essas crianças, mostrando como as coisas são possíveis quando se acredita. É uma maneira de despertar corações e seus sonhos.

A Fundação Make-A-Wish começou com um garoto chamado Chris Greicius, que tinha o sonho de ser um oficial da polícia. Esse primeiro desejo é contado na página da fundação:

 Durante toda a sua vida, Christopher James Greicius sonhou em ser um oficial de polícia. Mas ele jamais poderia imaginar que seu desejo seria a inspiração para a maior organização realizadora de desejos do mundo. A fundação Make-A-Wish Foundation® traça o seu início ao desejo de um garoto.
Em 1980, o menino de 7 anos Chris Greicius estava em tratamento de Leucemia. Todos os dias, ele sonhava em se tornar um policial.
O oficial de alfândega Tommy Austin era amigo de Chris e sua mãe, Linda Bergendahl- Pauling. Ele prometeu a Chris uma carona em um helicóptero da polícia. Quando a saúde de Chris começou a piorar, Austin entrou em contato com Ron Cox, um oficial do Departamento de Segurança Pública do Arizona e planejou um dia que iria melhorar o astral de Chris.
No dia 29 de Abril de 1980, Austin e um grupo especializado em cuidados especiais iniciaram o dia de Chris com um tour pela cidade com o helicóptero do departamento, que o levou para o quartel general. Três patrulheiros e um oficial motociclista o cumprimentaram antes do encontro com a tropa do Departamento de Segurança Pública (DSP). Lá, Cris fez o juramento como o primeiro patrulheiro honorário do DSP da história.
Mas sua experiência não parou ali. Cox constatou a empresa de fardas John’s Uniforms, que concordou em fazer um uniforme especial para Chris. O dono da loja e duas costureiras trabalharam a noite toda para criar o uniforme. Os oficiais apresentaram a farda oficial para Chris no dia primeiro de Maio e programaram um teste de motociclista para que ele pudesse receber seus pins em forma de asa para colocar em sua farda. Chris passou no teste com ótimas notas em sua motocicleta operada com bateria.
No dia 2 de Maio, Chris estava de volta ao hospital. Ele pediu para arrumarem o quarto de uma maneira que sempre pudesse ver seu uniforme, seu capacete de motociclista e a boina de campanha. O oficial do DSP Frank Shankwitz apresentou ao Chris suas asas de motociclistas. Ele as aceitou com um sorriso que iluminou o quarto.
No dia seguinte, Chris veio a falecer, mas não sem antes ter visto seu sonho se tornar realidade e experimentar a esperança, a força e a alegria de ter um desejo seu realizado.

A Make-A-Wish é uma das fundações mais lindas que já vi. Sempre que penso nela me emociono. São pessoas que fazem o bem para crianças cuja esperança estava perdida. É uma maneira de cultivar o amor e a alegria. É lindo ver que ainda tem gente no mundo preocupada com os outros. É um dos motivos pelos quais eu continuo acreditando na humanindade.

sadj

0

#SemanaEsther: “A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar”

Tudo o que eu tenho para falar sobre o livro da Esther é especial. Quando soube que Lori e Wayne Earl (os pais de Esther) lançariam um livro com os escritos dela, meu coração palpitou. Seria uma maneira de estar mais próxima. Logo que recebi o livro em minhas mãos, não pude controlar minhas emoções: são os pensamentos e palavras da Esther!

Awesome_1392422811308  Comecei a ler o livro assim que recebi, e foi amor imediato. A escrita simples fez com que o tempo voasse enquanto eu lia. O jeito no qual o livro foi dividido ajudou a entender os lados da história maravilhosa ali contada.

O livro foi divido em várias partes, contendo relados de amigos da Esther, de sua médica, de seus pais e partes de seu diário. Além de palavras, o livro traz fotos maravilhosas que mostram o dia a dia dela, seus momentos divertidos na internet e também com os familiares. No livro também estão contidos desenhos feitos pela Esther, muitas vezes usados como presentes para as pessoas que ela amava.

O grande impacto para mim foi a maneira na qual a Esther escrevia: com humor e carinho. Não parecia um daqueles livros que relatam o sofrimento em primeiro lugar, como estou acostumada.

Quando o dia chegar, seja em um, dez ou cem anos, eu não quero que vocês pensem em mim e fiquem tristes. Mesmo agora que estou viva, não pensem em mim e digam “Pobrezinha. É uma pena que ela esteja doente.” Não que vocês façam isso. Pensem em mim e pensem na luz do sol e no quanto aaaamo animais e desenhar coisas bonitas…

(A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar)

Esse livro não é sobre uma garota com câncer que teve uma morte triste. Ela não é uma personagem do câncer. A Esther foi uma menina incrível, cheia de vida, inclusive na hora da sua morte. É um livro sobre essa menina, sobre uma adolescente animada, carinhosa e divertida. Sobre o brilho que ela passava aos outros.

A Esther, apesar de lutar pela vida, aceitou a morte. Ela entendia que uma boa vida não significava quantidade e sim qualidade.  Acreditava que Deus tinha um plano para sua vida e que cada detalhe dela foi merecido e planejado por ele.

Só estou doente no corpo pelo tempo que Deus me quiser na Terra, e quando eu for para o céu vou entender que meu período na Terra era apenas parte do meu tempo, não todo. E que, no segundo em que Deus estiver pronto para que eu vá comemorar com ele, toda a doença vai embora. É isso que me dá esperanças.

(A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar)

 O livro trata de uma escritora excelente, que escreve sobre dor e alegria com a mesma intensidade; que não tornou-se vítima quando podia. Que não se rebelou nem afundo em tristeza enquanto escrevia sua própria história.

Um dos pontos que mais me chamou atenção foi o fato de Esther ter pouca idade mas entender o mundo como um adulto ou até melhor. A sensatez e sabedoria precoce que ela tinha eram evidentes. A maneira na qual ela via os lados da moeda e tentava entendê-los… Não foi como ler um diário de uma criança ou adolescente, mas como ler os pensamentos de um adulto com uma grande bagagem.

“A Estrela Que Nunca Vai Se Apagar” fala sobre Esther Grace Earl e sua personalidade maravilhosa: carismática, engraçada, sensível e talentosa. É o livro da minha amiga Estee: uma das estrelas mais brilhantes que já conheci… E que nunca se apagará!

sadj

Confira os demais blogs participantes:

Nossos romances adolescentes

Sem serifa

Hey, Random Girl 

Tout à coup

Collin´s Calling

Brincando com livros

Livros e vagalumes

Ponto e pula linha

Nem um pouco épico

Eu insisto